12/07/2021 11h15min - Geral
2 semanas atrás

"Seu Valter", o mandioqueiro (por Auro Akio Otsubo)


 • 

nIndexer / redacao@naviraionline.com.br
Fonte: Naviraí Notícias


Recentemente, participei da solenidade de ampliação da agroindústria de processamento de mandioca de mesa denominada, criativamente, de "Ki-cozinha", na comunidade de Saijú, em Caarapó-MS. Alguém pode estar perguntando: "mas e daí?".

Bem, essa unidade fabril já está quase atingindo a maioridade, hoje com seu modelo de negócio com 17 anos. Merecendo muito respeito, pois o nascer e perecer de iniciativas nesse setor são tão rápidos quanto uma nuvem passageira e daquelas que não causa precipitação, ou seja, sem deixar lembranças.

A longevidade dessa iniciativa deve ser ressaltada por tudo aquilo que a envolve, como a importância familiar, no caso, a do "Seu Valter", cuja história começa pela tradição de ser assistido pela extensão rural pública. No caso, desde a antiga Empaer (hoje denominada Agraer), foi assistido com os trabalhos de capacitações, assistência técnica, planejamento e o incentivo para que ele participasse de um programa governamental, o PROVE PANTANAL e verticalizasse sua produção de mandioca, através da venda para consumo de mesa ou "in natura", descascada e congelada, forma pouco utilizada na época.

Cada membro da família, a esposa, a filha, a irmã, o cunhado e outros, tinham (e têm até hoje) uma função, quer seja na produção, colheita, processamento, armazenamento e comercialização, essa última, feita com maestria pelo "Seu Valter". Além da gestão administrativa, hoje auxiliado pela filha, que se graduou em administração. Há aproximadamente 15 anos, eu tive o prazer de conhecer as delícias gastronômicas dali, feitas no fogão à lenha "pilotado" pela matriarca, Dona Tereza. Ela fazia as refeições para os parentes e os colaboradores, que mesmo no início, já empregava muita gente da comunidade, aliás, essa é uma característica do cultivo da mandioca, geração de postos de serviço.

Traçando um paralelo entre a evolução tecnológica de produção da mandioca com o empreendimento, no início, a Embrapa não possuía um programa de melhoramento genético dessa cultura para a Região Centro Sul do Brasil, questão que foi iniciada a partir de 2008. Até então os estudos se baseavam em trabalhos de poucas instituições, dentre as quais, o Instituto Agronômico de Campinas (IAC) e o Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR). Entre as principais demandas estava a disponibilização de novas cultivares com maior potencial de produção, que eram baseadas, na maioria, em seleções feitas pelos próprios produtores, como Três Forquilhas, Branca de Santa Catarina, Fibra e Espeto para a produção de fécula e farinha e Ouro, Paraguainha, Paraná e outras locais para a mesa.

Concomitantemente, no campo de políticas públicas para o setor, em Mato Grosso do Sul, criou-se a Câmara Setorial da mandioca, que graças à atuação desse fórum, com participação efetiva dos produtores, indústria, agentes financeiros, governo do Estado, Embrapa, Agraer, Sebrae, Universidades e outros, a cultura teve uma agenda de fortalecimento e reconhecimento. Isso fez com que em determinados períodos a cultura da mandioca e o Estado apresentassem o maior número de projetos aprovados para custeio no Brasil, além de discussão de estabelecimento de preços pagos ao produtor, entre outros.

Além disso, resultados de pesquisa começaram a surgir e a cultura se efetivou como alternativa de renda. A produtividade regional observada se consolidou como uma das maiores do país. Novas cultivares, resultado de trabalhos da Embrapa e outras instituições, aprimoramentos dos fatores de produção, particularmente, no manejo da fertilidade do solo e nutrição das plantas, controle químico de pragas e plantas daninhas, evolução dos implementos de plantio, poda e colheita foram fundamentais no aprimoramento do sistema de produção hoje utilizado. As indústrias se multiplicaram no Centro Sul do País, notadamente o de fécula e farinha, tornando a região a maior produtora e exportando, inclusive para o Nordeste, conhecido mercado produtor e consumidor.

Para se ter uma ideia da importância regional e local da mandioca, o valor da produção em 2019, segundo dados do IBGE, foi de R$ 1.305.905.000,00 (um bilhão, trezentos e cinco milhões e novecentos e cinco mil reais) para a região Centro Sul e de R$ 325.355.000,00 para o Mato Grosso do Sul. Ao observamos os valores gerados por unidade de área (R$/ha), a mandioca gera R$ 8.709,81, ao passo que a soja, gera R$ 3.325,85, em MS, indicando sua importância para os agricultores familiares.

Se, por um lado, a utilização de sucedâneos da mandioca em diversas áreas industriais como na têxtil, alimentícia, papelaria, metalurgia, cervejaria constituem tradicionalmente os mercados mais expressivos, por outro, o mercado que envolve o consumo "in natura" ou mesa, ou o processamento desse, como chips, bolinhos, fritos, etc tem crescido significativamente, sendo a Embrapa procurada diariamente por produtores, técnicos e novos empresários que querem entrar no setor e desejam informações nessa área e, em particular, sobre as variedades da Embrapa (BRS 396, BRS 399 e BRS 429) e suas características.

Uma questão interessante que temos observado nesse perfil de produção é a tendência da profissionalização, desde o processo produtivo, que é diferente daquele destinado à produção de fécula e farinha, até o processamento, garantindo qualidade de cozimento e manipulação de massa e comercialização. Todavia, a cadeia ainda é um tanto "amadora", tendo, portanto, grande potencial de desenvolvimento e evolução.

E, voltando ao "Seu Valter", o empreendimento por ele idealizado e por muitos batalhado, hoje tem potencial instalado para processar 5 mil kg de mandioca descascada para mesa por dia. Emprega mais de 35 pessoas da comunidade local e comercializa para mais de dez cidades, com o sonho de atingir todos os municípios do Estado. Está previsto também aumentar o portifólio dos produtos Ki-..., e eu já me convidei para voltar ao local para prosear sobre mandioca, degustar um almoço feito pela matriarca na beira do velho fogão à lenha, equipamento que ficou fora da reforma e que não deve se aposentar tão cedo. Mas isso é outra história.

 

AUTOR: Auro Akio Otsubo, Engenheiro Agrônomo, Dr., pesquisador, Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologias da Embrapa Agropecuária Oeste, Dourados-MS, auro.otsubo@embrapa.br.

 

 

 

 

 

Fonte: Auro Akio Otsubo - Embrapa

•  navirai noticias •   site •   naviraí


Últimas Notícias
Geral - 25/07/2021 02h02min
Caminhonete roubada no Paraná é recuperada em Dourados
Geral - 24/07/2021 18h13min
MS registra 547 casos novos e mais 14 mortes por Covid-19
Geral - 24/07/2021 17h12min
Homem morre atropelado em frente a mercado onde trabalhava e motorista foge
Geral - 24/07/2021 16h50min
Itaquiraí – Força Tática apreende mais de meia tonelada de maconha em barraco
Geral - 24/07/2021 16h09min
Lei de cotas para pessoas com deficiência completa 30 anos
Geral - 24/07/2021 15h08min
Indivíduo com inúmeras passagens policiais é preso por tráfico de drogas
Geral - 24/07/2021 14h06min
Mulher é presa com pistolas e munições em ônibus com destino a capital
Geral - 24/07/2021 13h07min
Família é feita refém durante assalto a casa e bandidos levam dois carros em roubo