06/06/2021 18h30min - Geral
2 semanas atrás

Abastecer com gasolina ainda é vantajoso em MS mesmo com a alta


 • 

nIndexer / redacao@naviraionline.com.br
Fonte: Naviraí Notícias


 

Nos últimos cinco meses, o litro da gasolina em Mato Grosso do Sul apresentou elevação de 25,54%, ainda assim, é mais vantajoso para o consumidor continuar abastecendo com a gasolina.

O litro da gasolina custa, em média, R$ 5,79 nos postos do Estado, de acordo com a pesquisa da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), sendo esse o maior preço médio já registrado na série histórica medida pela agência.

Conforme o economista Marcos Rezende, para saber qual o melhor combustível para o seu veículo é necessário ficar atento ao preço cobrado pelo litro da gasolina cobrado no litro do etanol.

“Os consumidores precisam analisar os valores entre gasolina e o álcool para saber qual se torna mais viável, porém, o álcool precisa de uma maior quantidade na queima para ter a mesma eficiência que a gasolina, mas acaba que a diferença de preço entre um e outro desperta atenção do consumidor”, afirma o economista.

De acordo com levantamento realizado de 23 a 29 de maio, o menor valor da gasolina encontrado no Estado foi R$ 5,53 e o litro mais caro é comercializado a R$ 6,19, enquanto na primeira semana de janeiro, o combustível era vendido pelo preço médio de R$ 4,58, indo do mínimo de R$ 4,46 a R$ 4,77.

De janeiro a maio, o litro do combustível aumentou R$ 1,17. Já na comparação com o mesmo período do ano passado o aumento é de 47,43%. Na última semana de maio de 2020, a gasolina custava R$ 3,90 no Estado (entre 3,73 e R$ 4,69), ante os R$ 5,75 atuais.

 

No início de fevereiro, o litro da gasolina era comercializado a R$ 4,88, passou a R$ 5,65 em março e a R$ 5,71 em abril.

Enquanto na última semana, o preço médio do etanol apresentou queda nos postos de Mato Grosso do Sul, de R$ 4,50 para R$ 4,40, com preço mínimo de R$ 3,95 e o máximo de R$ 5,02.

Para calcular qual opção será mais eficiente financeiramente, é necessário dividir o valor do etanol pelo valor da gasolina. Se o resultado for igual ou inferior a 0,7, é mais vantajoso abastecer com etanol, caso contrário, é mais vantajoso abastecer com gasolina.

Rezende destaca que alguns hábitos na hora de dirigir podem influenciar no consumo do combustível.

“Algumas pessoas têm mania de não trocar a marcha, o que aumenta o consumo e estraga o próprio veículo, não calibrar os pneus, acelerar de forma desnecessária, transportar muito peso, uso constante do ar-condicionado, são alguns fatores básicos que podem ajudar a diminuir o consumo”, ressalta.

 

MUNICÍPIOS

Levantamento realizado semanalmente pela ANP aponta que o menor preço médio do litro da gasolina é encontrado em Campo Grande. Na semana passada, o combustível foi comercializado a R$ 5,68, variando entre R$ 5,53 e R$ 5,89.Em maio do ano passado, o combustível era vendido, em média, por R$ 3,81 na Capital, com valor mínimo de 3,75 e máximo de R$ 3,98. 

O maior valor praticado atualmente no Estado, conforme o levantamento da ANP é em Corumbá, onde a gasolina ultrapassa R$ 6. O litro varia entre R$ 6,16 e R$ 6,19, média de R$ 6,17.

Em Dourados, o combustível fóssil custa, em média, R$ 5,90 e vai do preço mínimo de R$ 5,58 ao máximo de R$ 6,09.

Fonte: Jornal Correio do Estado

•  navirai noticias •   site •   naviraí


Últimas Notícias
Geral - 19/06/2021 10h50min
Em Mato Grosso do Sul está valendo a proibição do plantio da soja
Geral - 19/06/2021 10h40min
Paulo Correa pede prioridade na vacina para imprensa e comerciários
Geral - 19/06/2021 07h30min
Bolsonaro volta ao Estado para inaugura radar de vigilância
Geral - 19/06/2021 06h31min
PRF apreende 378 quilos de maconha
Geral - 19/06/2021 04h28min
indivíduo é flagrado com maconha, balança e R$ 1 mil em residência
Geral - 19/06/2021 04h26min
Homem é preso no Monte Castelo 16 anos depois de matar mãe e filha gestante
Geral - 19/06/2021 04h16min
Mulher é presa suspeita de estelionato por fraude em medidor de água
Geral - 19/06/2021 03h08min
Apreensão de celulares em presídios de MS cresce 18% durante a pandemia