21/06/2022 12h14min - Geral
2 semanas atrás

Acusado de homicídio diz que matou porque foi torturado por dono de boate


 • 

nIndexer / redacao@naviraionline.com.br
Fonte: TaNaMídia Naviraí


Em julgamento realizado na 1ª Vara do Tribunal do Júri, na manhã desta terça-feira (21), Kelvin Dinderson dos Santos, o Alemão, de 30 anos, um dos acusados pela morte de Ronaldo Nepomuceno Neves, de 48 anos, confessou o crime e disse que matou porque foi torturado pela vítima. O fato aconteceu em setembro de 2020.

O corpo de Ronaldo foi encontrado parcialmente carbonizado no dia 12, ao lado de sua caminhonete Ford Ranger, em estrada vicinal que dá acesso a Cachoeira do Ceuzinho. A vítima estava só de cueca com uma camiseta amarrada no pescoço.

Ao ser indagado pelo juiz Carlos Alberto Garcete de Almeida se queria falar sobre o fato, Kelvin inicialmente disse que não. Mas depois de conversar com o advogado de defesa, ele decidiu contar sua versão. “Vou contar o que não foi esclarecido para os senhores”, disse.

Segundo o réu, foi torturado por Ronaldo e os comparsas dele para confessar furto que não havia cometido. Ele contou que foi amarrado, colocado dentro de uma caminhonete e agredido com golpes de faca, chutes, socos, pauladas e choque elétrico por cerca de 3 horas. “Me deram choque, pauladas e facadas. Estava com as mãos e pés amarrados na capota do carro. Acharam que eu tinha morrido e disseram que iam avisar minha esposa”.

Narrou ainda que foi levado até uma área frequentada por usuários de drogas, conhecida como “Fazendinha”, na Avenida Ernesto Geisel, onde conseguiu escapar e com ajuda de amigos, deu rasteira em Ronaldo e o imobilizou usando um cinto. 

“Me arrependo muito de ter tirado uma vida, mas pensei na minha família naquela hora. Eu não queria fazer nada com ele. Amordacei ele. Levamos ele com vida para o Ceuzinho", contou.  Outros três amigos de Kelvin também foram responsabilizados pelo crime - Igor Figueiró Rando, Marcelo Augusto da Costa Lima, e Almiro Cássio Nunes Orgeda Queiroz Neto.

Kelvin contou que no local do crime desferiu um golpe com uma garrafa quebrada no pescoço da vítima. “Chegando lá desferi a garrafada no pescoço dele e pedi para a gurizada me levar embora. Aí para frente não sei de mais nada. Antes de ir embora, dei duas pedradas nele”. O réu afirmou ainda que perdeu a cabeça, porque a vítima disse que mataria os filhos dele, de 6 e 9 anos de idade, na época. “Ele era meu amigo, não tinha o porquê fazer isso comigo”. Segundo ele, Ronaldo era acostumado a bater na “gurizada”.

Quanto ao crime, Kelvin afirmou que não combinou nada com os comparsas. “Foi acontecendo”. O rapaz ainda aproveitou para dizer que a vida dele foi de luta, sempre trabalhado. “Eu tinha 11 anos quando minha mãe saiu de casa. Tive que ter obrigação de dono de casa. Fui eu quem cuidei do meu irmão esquizofrênico. Ele é mais velho”.

Segundo Kelvin antes de ser preso tinha um projeto no chamado Espaço Verde, de horta orgânica. “Minha vida sempre foi correr atrás. Pai eu nunca tive. Eu fui pai de mim mesmo e do meu irmão. Não conheci meu pai. Nem registrado eu fui”.  O resultado do julgamento será divulgado no período da tarde. 



•  tanamidia navirai •  noticias


Últimas Notícias
Geral - 03/07/2022 14h43min
Naviraí-Colisão entre veículos deixa uma vitima em estado grave
Geral - 03/07/2022 13h48min
Parte da Rota Bioceânica, ponte entre Brasil e Paraguai começa a ser construída
Geral - 03/07/2022 13h45min
Olimpíada de História faz exposição sobre 200 anos da independência
Geral - 03/07/2022 13h30min
A religiosidade online na umbanda
Geral - 03/07/2022 13h27min
"Pai" da Praça Pantaneira, artista plástico morre aos 60 anos na Capital
Geral - 03/07/2022 13h08min
Após sobreviver ao fogo, tamanduá concorre ao título de personalidade animal
Geral - 03/07/2022 12h47min
Em corrida com acidente, Sainz ganha primeiro GP da história
Geral - 03/07/2022 12h21min
Estudo alerta para urgência de novos tratamentos contra verminoses