13/07/2022 08h30min - Geral
4 semanas atrás

Brasil se sai bem no ranking global da desinformação


 • 

nIndexer / redacao@naviraionline.com.br
Fonte: Campo Grande NEWS


Não há dúvidas de que a circulação de desinformação é um problema sério no Brasil. Com razão, instituições e indivíduos têm se preocupado, por exemplo, em conter a influência de informações falsas na decisão das pessoas em se vacinar e na discussão sobre as eleições deste ano. Mas um estudo global (íntegra – 3MB) sugere que, por mais grave que esse problema seja por aqui, os brasileiros parecem ter um nível de discernimento maior que cidadãos de outros 15 países diante dessas desinformações. Sob a coordenação de dois dos principais pesquisadores sobre desinformação em todo o mundo –Gordon Pennycook (Universidade da Regina, Canadá) e David Rand (MIT, Estados Unidos) –, o estudo entrevistou mais de 33 mil pessoas em 16 países de 6 continentes durante o primeiro semestre de 2021. O objetivo do trabalho era descrever as características individuais mais associadas ao compartilhamento de desinformações e identificar as estratégias mais eficientes para enfrentar esse problema. Ainda que não tivesse o propósito de estabelecer propriamente um ranking global de habilidades individuais em discernir desinformações, o estudo revelou dados positivos sobre o Brasil. Uma das tarefas solicitadas aos participantes da pesquisa era indicar se compartilhariam ou não diversas mensagens, entre as quais havia algumas informações verdadeiras e outras falsas. Outros resultados do estudo também são muito interessantes. Em todos os países estudados, por exemplo, algumas características individuais parecem estar significativamente associadas a uma maior capacidade de discernir entre informações falsas e verdadeiras. Entre elas, pessoas que gostam de desafios intelectuais, que cultivam valores democráticos e que acreditam que é mais importante prestar atenção aos argumentos dos políticos do que simplesmente seguir o que eles recomendam. Por outro lado, em muitos países, algumas características estiveram associadas à menor capacidade de discernimento de desinformações. Indivíduos que declaram pertencer a minorias étnicas, que são de famílias de baixa renda e que têm perfil mais conservador tendem a ter maior dificuldade de separar notícias falsas das verdadeiras. Ao investigar as estratégias para enfrentar a desinformação, o estudo mostrou que um simples convite para que alguns participantes classificassem uma notícia como verdadeira ou falsa fez com que eles fossem mais criteriosos no compartilhamento de notícias, em comparação com os demais participantes que não haviam recebido o convite. Esse resultado tem se repetido em diversas pesquisas e sugere que – de tempos em tempos – é importante estimular as pessoas a refletirem sobre a veracidade do conteúdo que circula na internet. Essa medida simples tende a reduzir o volume de circulação de desinformações.  (*) Wladimir Ganzelevitch Gramacho é doutor em Ciência Política, coordenador do Centro de Pesquisa em Comunicação Política e Saúde Pública (CPS) e professor Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília. 

•  campo grande news •  navirai •  noticias


Últimas Notícias
Geral - 11/08/2022 23h59min
Madrasta agredida nos olhos a tesouradas recebe alta e enteado é levado para o presídio
Geral - 11/08/2022 23h59min
Motorista é preso com R$ 10,6 milhões de maconha em carga de tijolos
Geral - 11/08/2022 23h57min
Rapaz que morreu após perseguição transportava quase 400kg de maconha no veículo
Geral - 11/08/2022 23h38min
Rastreador leva PM à "boca de fumo" e cinco são presos 730 papelotes de cocaína
Geral - 11/08/2022 23h17min
Fifa antecipa início da Copa do Mundo para 20 de novembro
Geral - 11/08/2022 22h56min
Com 50 vagas, curso gratuito de açougueiro está com inscrições abertas
Geral - 11/08/2022 22h34min
Libertadores: Vitor Roque decide e Athletico-PR está na semifinal
Geral - 11/08/2022 22h13min
Suspeitos de assalto, homens são presos após trocarem tiros com policiais