19/04/2021 14h35min - Geral
3 semanas atrás

Fahd Jamil, foragido da polícia, se entrega em Campo Grande


 • 

nIndexer / redacao@naviraionline.com.br
Fonte: Naviraí Notícias


Fahd Jamil estava foragido e se entregou na Capital - Foto: Divulgação

Um dos chefões históricos na região de Ponta Porã e Pedro Juan Caballero e alvo de uma das fases da Operação Omertà, acusado de ser o mandante de execuções e que estava foragido desde o ano passado, Fahd Jamil se entregou à polícia na manhã desta segunda-feira (19), em Campo Grande.

Ele tinha um mandado de prisão em aberto e chegou na manhã de hoje, em um avião, desembarcando no Aeroporto Santa Maria, onde equipe do Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Banco, Assalto e Sequestro (Garras) o aguardava.

A apresentação foi negociada entre o advogado do acusado e a polícia.

Segundo o advogado de Fahd, Gustavo Badaró, a defesa aguarda o julgamento de um recurso em habeas corpus no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

"Nesse período, o estado de saúde dele veio se debilitando ainda mais, porque ele não tinha condição de fazer o acompanhamento médico que ele necessitava e, diante da ausência de previsão de quando esse recurso pudesse ser julgado em Brasília, nós optamos para que ele se apresentasse", disse.

Ainda segundo o advogado, Fahd Jamil tem problemas de saúde e necessita de tratamento médico contínuo e, por este motivo, será feito um pedido de prisão domiciliar.

"Aguardamos que seja feito o mais rápido possível uma perícia, para constatar o estado de saúde dele além dos documentos médicos que nós juntamos, que eram dos médicos particulares que o acompanhavam antes da decretação da prisão, e aí esperamos conseguir comprovar a necessidade de que a prisão domiciliar seja concedida", explicou.

Badaró disse que Fahd não tem um pulmão e, por isso, tem capacidade pulmonar muito reduzida, fazendo tratamento contínuo de oxigenioterapia, que é a necessidade de oxigênio por equipamentos.

"Indagamos a Agepen oficialmente, por meio de um ofício, se haveria algum estabelecimento que teria condição desse tratamento ser cumprido no estabelecimento penitenciário, foi dito que não. Então agora, diante da apresentação dele, nós queremos que tão logo seja realizada a perícia, formular o pedido agora com a perícia oficial para que seja concedida a prisão domiciliar para ele", afirmou.

CARTA ABERTA

Em carta aberta divulgada hoje pela defesa, Fahd Jamil alega que além de idoso e doente, vive sob perseguição de criminosos, sendo sustentado pelos filhos.

Ele afirma ainda que não antecedentes criminosos, que sempre colaborou para o equilíbrio da segurança na fronteira e com as autoridades em geral.

"Por isso tudo, pretendendo zelar pelos meus direitos nos processos em curso, tomei a decisão de me apresentar na unidade local do Garras, em mais uma atitude de consideração pelos poderes públicos em geral", diz na carta.

 

ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA

Fahd Jamil foi alvo da terceira fase da Operação Omertà, denominada Armagedom, que cumpriu dezenas de mandados de prisão em junho do ano passado.

Ela agiu contra os laços de influência e poder que o grupo chefiado por Jamil Name e Jamil Name Filho tinha com vários órgãos da administração pública, e também com Fahd Jamil, de Ponta Porã, chamado de “Rei da Fronteira”, e considerado seu parceiro para trama de execuções e movimentações de arma. 

Ao pedir os mandados de prisão preventiva, de prisão temporária e de busca e apreensão, o Gaeco dividiu a então nova fase da organização criminosa em dois núcleos: o comandado por Jamil Name, em Campo Grande, e o comandado por Fahd Jamil, em Ponta Porã, na fronteira com o Paraguai. 

O assassinato do ex-chefe de segurança da Assembleia Legislativa, Ilson Martins Figueiredo, ocorrido em 11 de junho de 2018, é o elo que expõe a aliança existente entre o que os investigadores chamam de organizações criminosas de Jamil Name e de Fahd Jamil. 

De acordo com Ministério Público Estadual (MPE), o crime foi encomendado por Fahd Jamil e executado pelo suposto grupo criminoso chefiado pelos Name.

Conforme a investigação, o motivo seria uma vingança pela morte de Daniel Jamil Georges, filho de Fahd. Ele desapareceu em 2011 e foi declarado morto em 2019. Ilson teria sido um dos responsáveis por esse desaparecimento.

Além do assassinato de Figueiredo, o grupo de Fahd Jamil também teria executado o pistoleiro Alberto Aparecido Roberto Nogueira (o Betão), em abril de 2016, e também de Orlando da Silva Fernandes (o Bomba) em outubro de 2018.

O grupo de Fahd Jamil mantinha na Fazenda Três Cochilhas, em Ponta Porã, uma fazenda que seria um verdadeiro “bunker”. Uma espécie de quartel-general da pistolagem.

 

O monitoramento avançado do Gaeco permitiu verificar movimentações financeiras envolvendo os grupos de Jamil Name e Fahd Jamil. Elas sempre ocorriam em maior volume perto das  datas das execuções. Foram pelo menos oito transferências entre os grupos, no valor de R$ 130 mil, indica a investigação.

Em outubro do ano passado, a Justiça aceitou a denúncia contra Fahd e os Name pela execução de Figueiredo. (Com informações Jornal Correio do Estado).

Fonte: Jornal Correio do Estado

•  navirai noticias •   site •   naviraí


Últimas Notícias
Geral - 07/05/2021 07h30min
Marun diz que é inveja a crítica por baixo salário
Geral - 07/05/2021 07h05min
Corpo de Bombeiros faz alerta para prevenção de queimadas
Geral - 07/05/2021 07h00min
Rafael Volpato e Simon Freitas pede fisioterapeutas e psicólogos nas UBS
Geral - 07/05/2021 06h40min
Três apostas no interior de MS faturam R$ 30,9 mil na quina
Geral - 07/05/2021 06h20min
Sexta-feira com predomínio de vento frio e ar seco em MS
Geral - 07/05/2021 06h10min
Delegado bateu em caminhão na BR-060 e morre na Santa Casa
Geral - 07/05/2021 06h05min
Paulo Corrêa teve trabalho reconhecido pelo Instituto IDAMS
Geral - 07/05/2021 06h05min
Eldorado – PRF recupera caminhão roubado e prende homem por receptação