21/07/2022 11h57min - Geral
3 semanas atrás

Família protesta e cobra respostas sobre morte de bebê em posto de saúde


 • 

nIndexer / redacao@naviraionline.com.br
Fonte: Campo Grande NEWS


Cerca de 20 pessoas estão manifestando repúdio, nesta quinta-feira (21), em frente à Unidade de Saúde da Família Doutor João Miguel Basmage, no bairro Estrela Dalva, após um bebê de 24 dias de vida morrer, no dia 15 de julho. “Lutamos por justiça por incompetência dos postos de saúde”. “Não vamos parar. Tudo começou aqui no pré-natal onde não nos atendiam. Justiça!”. Pessoas incompetentes nos postos de saúde. Isso custa a vida de inocentes”. Esses são alguns dos pedidos feitos pela família, que informaram que foram retirados de dentro da unidade por guardas municipais. A dona do lar, Silvia Mara Rodrigues Maciel, de 32 anos, entrou em trabalho de parto em 22 de junho. No mesmo dia, ela conta que foi pra Santa Casa, às 20h30min, porque estava com dor e contração. Chegando lá, internaram, fizeram o toque, e estava com apenas três centímetros de dilatação. Com isso, ela foi liberada às 22h30min. No dia 23 de junho, às 03h30min, a criança acabou nascendo na casa onde ela mora, no bairro Taquaral Bosque, com a ajuda da irmã e da vizinha. Após isso, o Samu foi acionado e eles foram levados para a Maternidade Cândido Mariano. “Fiquei dois dias lá. Ele saiu de lá perfeito, não tinha nenhum problema de saúde. Fizemos todos os testes e todos os exames e ele estava bem”, lembra. História –  Silvia conta que no dia 8 de julho, levou o filho Mikael Maciel da Silva, na unidade pois estava com o peito chiando, mas nada foi resolvido. “Uma enfermeira e dois estagiários examinaram ele que nem um cachorrinho no meu colo, era 9 horas da manhã. Me liberaram e mandaram eu por soro no nariz porque estava trancado. Ele estava com o pulmão fazendo barulho, eu percebi quando ele ia mamar e a enfermeira disse que não era nada. Me liberou e só receitou o soro fisiológico”, pontua. Após isso, a criança apresentou uma pequena melhora. Já no dia 11 de julho, os sintomas voltaram e ele foi levado para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Coronel Antonino. No local foi feito o raio-x do pulmão e identificaram que estava comprometido. Mikael saiu intubado, da Unidade, até a Santa Casa. No hospital, foi identificado pneumonia e problemas no coração, o que consta no laudo. No dia 15 de julho, a mãe retornou à Santa Casa, quando ficou sabendo sobre o falecimento do bebê. “Eu cheguei na Santa Casa, já tinha uma psicóloga me esperando, me levaram na sala e o médico veio e falou: ‘Sinto muito, seu filho não resistiu’. Disse que tinha dado começo de pneumonia”, lamenta. Silvia tem outros cinco filhos, sendo três meninos (10, 5 e 2 anos) e duas meninas (15 e 13 anos). “Meus filhos me perguntam: ‘Cadê meu irmãozinho? Ele vai voltar ? Como eu falo isso para meu filho de dois anos? Eles mataram o meu filho, se tivesse visto antes, meu filho estava comigo”, questiona. “Eu quero justiça e uma resposta, não quero que outras mães passem por isso. Quero um pouco de compreensão dos enfermeiros, respeito pela minha dor e pela memória do meu filho que era um anjinho. Se tivessem dado o encaminhamento para ele fazer o raio-x no primeiro dia que eu vim aqui, não tinha acontecido isso.” Outro lado – Em nota, encaminhada ao Campo Grande News , a Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) informa que está analisando o procedimento adotado pela equipe de saúde da unidade. No entanto diz que no dia em que a mãe compareceu ao local, a criança não apresentava sinais de gravidade e que foi orientada a fazer a lavagem nasal quatro vezes ao dia, podendo buscar uma unidade de urgência e emergência caso não melhorasse. No UPA Coronel Antonino, segundo informações da Secretaria, além do raio-x foi prescrito medicação intravenosa. “Contudo o paciente evadiu-se da unidade antes de que fossem executadas as ordens médicas, sendo necessário contato via telefone orientando para que retornasse ao local, uma vez que havia sido regulado para o hospital. A transferência se deu após perceber, em exame clínico, que a dificuldade respiratória da criança poderia estar relacionada com uma suspeita de sopro sistólico, tendo ele sido, inclusive, transferido para o setor de cardiologia pediátrica da Santa Casa”, diz parte da nota. Por fim, ainda de acordo com a Sesau, o atendimento necessário ao paciente foi prestado, de acordo com a gravidade do caso em cada momento, sendo necessário.

•  campo grande news •  navirai •  noticias


Últimas Notícias
Geral - 11/08/2022 23h59min
Madrasta agredida nos olhos a tesouradas recebe alta e enteado é levado para o presídio
Geral - 11/08/2022 23h59min
Motorista é preso com R$ 10,6 milhões de maconha em carga de tijolos
Geral - 11/08/2022 23h57min
Rapaz que morreu após perseguição transportava quase 400kg de maconha no veículo
Geral - 11/08/2022 23h38min
Rastreador leva PM à "boca de fumo" e cinco são presos 730 papelotes de cocaína
Geral - 11/08/2022 23h17min
Fifa antecipa início da Copa do Mundo para 20 de novembro
Geral - 11/08/2022 22h56min
Com 50 vagas, curso gratuito de açougueiro está com inscrições abertas
Geral - 11/08/2022 22h34min
Libertadores: Vitor Roque decide e Athletico-PR está na semifinal
Geral - 11/08/2022 22h13min
Suspeitos de assalto, homens são presos após trocarem tiros com policiais