14/07/2022 11h01min - Geral
4 semanas atrás

Filha não desistiu e mãe vai conseguir cirurgia a 350 km de casa


 • 

nIndexer / redacao@naviraionline.com.br
Fonte: Campo Grande NEWS


Depois de quebrar o fêmur, uma moradora do bairro Mata do Jacinto, na Capital, recebeu orientação médica para voltar para casa, mesmo sentindo dores. De lá para cá, já se foram 40 dias de remédios  pesados e a cabeleireira Josefa Duarte Janebo, de 62 anos, descobriu que precisaria de uma prótese que não tem na rede pública. A espera só não vai se prolongar porque uma viagem de 351 quilômetros custeada pelo SUS (Sistema Único de Saúde) levará a idosa à mesa de cirurgia em Amambai, na Caravana da Saúde.  Depois de tantas medicações e idas e vindas a UPAs (Unidades de Pronto Atendimento), Josefa não consegue nem falar e se comunica com os familiares pelo olhar. A filha, a autônoma Mara Gomes Duarte, de 36 anos, faz o alerta para que as pessoas que precisam de diagnóstico e cirurgia não desistam de buscar solução.  “Soubemos que, na rede particular, a cirurgia custaria R$ 50 mil e mais R$ 10 mil por dia, caso minha mãe precisasse de UTI (Unidade de Terapia Intensiva). Aí, fomos atrás de onde poderia ter e soubemos, graças a uma cliente e amiga da minha mãe, que tinha em Amambai, na Caravana da Saúde. Ela vai operar sábado, vai ser de avião e não vamos pagar nada. Quem precisa não pode aceitar quanto o médico fala que tem que esperar, tem que ir atrás no posto, na defensoria pública, buscar alguém que dê informação e ajude a conseguir”, comenta Mara. Josefa caiu em casa e não percebeu que o fêmur ficou trincado. Dias depois, ela sentiu o osso quebrar quando descia de um ônibus. Na UPA, um exame de raio-x não revelou nada e a cabeleireira voltou para casa.  Passados mais alguns dias, sem saber o que fazer, a filha levou Josefa a UBS (Unidade Básica de Saúde) do Nova Bahia, onde a médica orientou que a família fizesse uma ressonância magnética. O exame revelou a fratura e uma amiga da família sugeriu que procurassem a Caravana, já que a cabeleireira recebeu informação de que não tem prótese em Campo Grande e teria que esperar, sem previsão de data para a cirurgia.  Caravana da Saúde  - Responsável por fazer andar as filas de exames e cirurgias em todos os municípios do Estado, neste ano a Caravana terá mais de 70 mil procedimentos médicos de média e alta complexidade.  A Caravana é realizada em duas modalidades: “Opera MS” e “Examina MS”, com atendimentos exclusivos em unidades hospitalares e clínicas médicas credenciadas pelo Governo do Estado. Entre as cirurgias realizadas estão as ortopédicas, vasculares, oftalmológicas, de otorrinolaringologia e urológicas. A Caravana também oferece exames como ressonâncias magnéticas, tomografias computadorizadas, ultrassonografias, cardiovasculares, de cintilografia, endoscopia e colonoscopia.

•  campo grande news •  navirai •  noticias


Últimas Notícias
Geral - 10/08/2022 13h22min
Mães de Blumenau tentam reaver a guarda de filhos enviados à adoção
Geral - 10/08/2022 13h22min
BNDES leva a leilão antigo edifício-sede em Brasília
Geral - 10/08/2022 13h11min
Vítima procura polícia para denunciar furto e ao voltar para casa encontra suspeito dormindo na própria cama
Geral - 10/08/2022 13h08min
Maioria do STF vota a favor de reajuste de 18% para o Judiciário
Geral - 10/08/2022 12h48min
WhatsApp estende prazo para apagar mensagens enviadas
Geral - 10/08/2022 12h31min
Idosa é socorrida com furo no olho ao ser atacada com tesouradas pelo enteado
Geral - 10/08/2022 12h20min
Pandemia mudou hábito e 20% dos passageiros deixaram de usar ônibus na Capital
Geral - 10/08/2022 12h13min
Homem confessa ter matado idoso após briga por volume de som