20/06/2022 08h31min - Geral
2 semanas atrás

Justiça decreta prisão preventiva de condenado a 80 anos por mortes no PR


 • 

nIndexer / redacao@naviraionline.com.br
Fonte: Campo Grande NEWS


A Justiça de Mato Grosso do Sul decretou a prisão preventiva de Luccas Abagge, de 32 anos, flagrado utilizando uma CNH (Carteira Nacional de Habilitação) falsa na noite de sábado (18), quando ingressava para Ponta Porã, cidade a 313 quilômetros de Campo Grande. Luccas é foragido da Justiça, condenado a pena de 80 anos por assassinatos no Paraná, também filho de Beatriz Cordeiro Abagge, investigada nos anos 90 pela morte de um menino de seis anos em ritual de magia negra. Luccas foi abordado e durante checagem, seu nervosismo levantou suspeita dos policiais militares. Ele utilizava documento falso, mas foi descoberto durante checagem minuciosa. Luccas foi levado para a delegacia e durante interrogatório, afirmou não ser criminoso e que cruzou a fronteira de Ponta Porã com o Paraguai para buscar a esposa em um shopping. Inclusive, o preso não assinou nenhum documento em nome de Luccas Abagge. A esposa disse que o conhecia como Evandro, sem saber de condutas criminosas.  Logo após ouvi-lo, a Polícia Civil pediu vaga com urgência no presídio, considerando a alta periculosidade e histórico de fugas cinematográficas.  Em janeiro de 2019, Luccas foi condenado a 54 anos por homicídio, pena posteriormente reduzida para 48 anos. Após o crime por disputa por ponto de vendas de drogas em Curitiba, a sua fuga envolveu o roubo de três veículos.  Em julho de 2019, nova condenação: a 32 anos por matar um adolescente em Curitiba. Um segundo adolescente ficou ferido. Em 2016, ele fugiu da Penitenciária Central do Estado, na Região Metropolitana da capital paranaense.  Caso Evandro também conhecido como "as bruxas de Guaratuba"  - Luccas Abagge é filho de Beatriz Cordeiro Abagge, uma das condenadas pela morte do menino Evandro Caetano. Numa série documental, ela relata ter sofrido tortura para confessar o crime e recebeu pedidos de perdão do Estado do Paraná.  Evandro Ramos Caetano, então com 6 anos, desapareceu no dia 6 de abril de 1992. Seu corpo foi encontrado em 11 de abril, em um matagal da cidade litorânea de Guaratuba, no Paraná, sem vários órgãos, com mãos e pés amputados, e vísceras e coração arrancadas.  A promotoria pública do Paraná indiciou Beatriz Cordeiro Abagge e sua mãe, Celina Abagge (então primeira dama do município), como mentoras do sequestro e morte de Evandro. A alegação foi de sequestro e utilização da criança em suposto ritual de magia negra para obtenção de benefícios materiais junto a espíritos satânicos.  Em 23 de março de 1998, Beatriz e Celina foram julgadas pela primeira vez, em processo que é o mais longo júri da história da justiça brasileira - 34 dias de julgamento. No veredito foram consideradas inocentes. Em 1999 o júri foi anulado, com novo julgamento realizado 13 anos depois, em 28 de maio de 2011.  Outros acusados de envolvimento no suposto assassinato também foram julgados pelo crime: o pai-de-santo Osvaldo Marcineiro, o pintor Vicente de Paula Ferreira e o artesão Davi dos Santos Soares. Os três foram condenados em 2004. Os outros acusados, Francisco Sérgio Cristofolini e Airton Bardelli dos Santos, foram absolvidos em 2005.  No segundo julgamento Beatriz foi condenada a 21 anos e 4 meses de prisão. Em 17 de abril de 2016, o Tribunal de Justiça do Paraná concedeu perdão de pena para Beatriz Abagge.  Podcast e série de TV -  Em 2018 o Projeto Humanos, um podcast storytelling "dedicado a contar histórias reais de pessoas reais", que é produzido desde 2015 pelo jornalista e professor universitário Ivan Mizanzuk, de Curitiba (PR), retratou o caso.  Fruto de dois anos de investigação jornalística, a narrativa expôs as falhas na investigação, os hiatos e as perguntas não respondidas relativas ao crime, e trouxe à tona uma nova versão: os depoimentos colhidos pela Polícia Militar do Paraná foram "arrancados" sob tortura.  O podcast tornou-se um dos mais baixados do Brasil em 2019, com mais de quatro milhões de acessos. Em seguida foi adaptado para uma série de TV produzida pelo Grupo Globo para o canal Globoplay, com estreia em 13 de maio de 2021. Isabela Boscov chamou a série de "impecável", e disse que "se em 1992 houvesse entre os investigadores do caso alguém com a clareza, o método, a perseverança e o rigor de Ivan Mizanzuk, provavelmente a gente saberia o que aconteceu com o Evandro e com o outro menino desaparecido cinquenta dias antes em Guaratuba, o Leandro Bossi". 

•  campo grande news •  navirai •  noticias


Últimas Notícias
Geral - 06/07/2022 03h44min
Naviraí-Duas pessoas caem em golpe por telefone e perdem um total de R$ 9.946,74
Geral - 06/07/2022 00h41min
Naviraí-Prefeitura adquire EPIs para combate a incêndios florestais
Geral - 06/07/2022 00h10min
Camioneta furtada em Ribeirão Preto é recuperada pelo DOF com adolescente de 17 anos
Geral - 06/07/2022 00h03min
Quarteto do PCC que matou rival na frente da mãe é condenado a 58 anos de prisão
Geral - 05/07/2022 23h58min
DOF apreendeu mais R$ 330 milhões em drogas e contrabando
Geral - 05/07/2022 23h56min
Pelo menos 20 estados anunciaram a redução do ICMS sobre combustíveis
Geral - 05/07/2022 23h56min
Mato Grosso do Sul recebe 70 mil vacinas para reforçar imunização contra covid
Geral - 05/07/2022 23h55min
Óculos, cigarros e pneus são confiscados após abordagem em distrito