19/07/2022 15h11min - Geral
4 semanas atrás

Número de consumidores inadimplentes em MS cresce 9,6% em 1 ano


 • 

nIndexer / redacao@naviraionline.com.br
Fonte: Campo Grande NEWS


O número de consumidores inadimplentes cresceu quase 10% em Mato Grosso do Sul em maio de 2022 na comparação com o mesmo mês do ano passado. De acordo com a Serasa Experian, em maio de 2021 existiam pouco mais de 865 mil pessoas com dívidas em aberto. Já em maio de 2022 o número saltou para 948 mil.  O levantamento do órgão de serviços de informações ainda aponta que, se forem comparados os números de 4 anos atrás com os dados atuais, o crescimento no número de inadimplentes no Estado até maio deste ano é de 19,7%. Em 2019, eram R$ 3,2 milhões em dívidas negativadas, agora, são R$ 4,2 milhões. Os dados de maio são os mais atuais levantados pelo órgão. Empresas -  A realidade também atinge empresas que, em maio, somaram 77.834 inadimplentes em MS, sendo o valor médio das dívidas de R$ 15.322,56. Para o economista da Serasa Experian, Luiz Rabi, “o cenário de inadimplência do empreendedorismo ainda deve se estender enquanto a economia permanecer instável no país, já que essa situação afeta diretamente o poder de compra dos consumidores e, sendo assim, o fluxo de caixa das empresas.”  A inconsistência pode ser explicada por diversos fatores. No que diz respeito ao mercado internacional, a guerra na Europa entre Rússia e Ucrânia, e as consequências econômicas dela, como prejuízos em setores como o de fertilizantes - importante insumo usado na agricultura brasileira - assim como a instabilidade no preço do dólar, afetando o mercado de combustíveis no Brasil, estão entre os problemas enfrentados pelo país em 2022.  Explicações -  No contexto interno, os efeitos da pandemia de covid-19 que foram amenizados, mas estão longe de serem eliminados, o aumento no número de pessoas desempregadas e com fome, entre outros desafios, são reflexo do difícil momento econômico enfrentado pela população. “Há anos não registrávamos tamanha inflação em produtos que fazem parte do dia a dia da maior parte da população (alimentação, combustível, energia, por exemplo), consumindo parte significativa da renda do trabalhador, que por sinal também sofreu redução durante a pandemia”, afirma Silvio Frison, vice-presidente da Serasa.  Para ele, esse cenário fez com que surgissem mudanças nos hábitos de consumo, lazer e comportamento das pessoas. “O brasileiro aumentou sua disposição para empreender, buscando renda por conta própria, reduziu o uso do dinheiro vivo, substituindo-o pelo Pix, passou a priorizar os gastos em casa, como TVs por assinatura, e reduziu drasticamente os investimentos com lazer externo. Quando se compara as principais despesas realizadas em 2021 ao ano de 2020, constata-se que o aumento dos gastos se concentra em supermercados, hipermercados e farmácias em seguida”, analisa. Aos poucos - Apesar do cenário preocupante, há levantamentos que apontam para alguma “luz no fim do túnel”. O índice de famílias endividadas em Campo Grande apresentou discreta redução no mês de junho deste ano, registrando o número de 60% de endividados na Capital, contra 60,6% no mês de maio. Os dados são da Peic (Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor), realizada pela CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo). “A gente percebe que tem, sim, uma retomada pós-pandemia. Por exemplo, o setor do turismo estava parado, não estava se movimentando durante a pandemia. Então, quando analisamos uma atividade como essa, que permeia várias outras atividades, é possível notar impactos positivos acontecendo agora”, avalia a economista do IPF-MS (Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Fecomércio MS), Regiane Dedé de Oliveira. De acordo com a pesquisa, os muito endividados somam 16,5% e, os pouco endividados, 27,2%. O cartão de crédito é a principal fonte de endividamento dos campo-grandenses (71,3%), seguido pelos carnês (23,7%), financiamento de casa (13,2%) e financiamento de carro (9,1%). Apesar dos índices serem altos, Regina explica que os números se referem a dívidas controladas, que não necessariamente ficarão sem pagamento. “Percebemos que o consumidor está conseguindo se manter razoavelmente bem numa situação onde os produtos estão mais caros, a inflação está na casa dos dígitos. Mas tudo isso faz com que o consumidor fique mais cauteloso”, finaliza.

•  campo grande news •  navirai •  noticias


Últimas Notícias
Geral - 14/08/2022 22h01min
Internacional atropela o Fluminense por 3 a 0 no Beira Rio
Geral - 14/08/2022 21h40min
São Paulo atropela Red Bull Bragantino por 3 a 0 neste domingo
Geral - 14/08/2022 21h21min
Rayssa Leal conquista etapa de Seatle da Liga Mundial de street
Geral - 14/08/2022 21h05min
Em casa, América-MG vence o Santos por 1 a 0 e respira na Série A
Geral - 14/08/2022 20h49min
Fortaleza vence Ceará por 1 a 0 e deixa zona de rebaixamento
Geral - 14/08/2022 20h29min
Brasil registra 37 mortes por covid-19 em 24 horas
Geral - 14/08/2022 20h22min
Brasil registra 37 mortes por covid-19 em 24 horas
Geral - 14/08/2022 20h05min
Eleições 2022: veja o que pode ou não no dia da votação