10/08/2021 18h49min - Geral
1 mês atrás

Quadrilha tem penas de 5 a 7 anos por cavar túnel até cofre do Banco do Brasil


 • 

nIndexer / redacao@naviraionline.com.br
Fonte: TaNaMídia Naviraí


A Justiça em Campo Grande condenou seis dos sete réus da tentativa de furto do Nuval (Núcleo de Valores do Banco do Brasil), em penas que variam de 5 a 7 anos de reclusão, em regime fechado. A mulher de um dos envolvidos foi absolvida de todas as acusações.

A condenação data de 6 de agosto, assinada pelo juiz da 2ª Vara Criminal, Olivar Augusto Roberti Coneglian, sendo publicada hoje, no Diario da Justiça. A denúncia foi ofertada pelo MPMS (Ministério Público de MS), no dia 4 de janeiro de 2020. Os envolvidos foram presos no dia 22 de dezembro de 2019, depois de investigação do Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Banco, Assalto e Sequestro).

A Polícia Civil passou a investigar a conexão de um mesmo individuo em dois assaltos a banco em Mato Grosso do Sul: em maio de 2016, quando foram levados R$ 1,1 milhão de agência do BB, na Avenida Afonso Pena e, em julho de 2019, quando bandidos roubaram R$ 300 mil de agência da Caixa.

Eliane Goulart Decursio foi absolvida de todas as acusações. (Foto: Arquivo)

A investigação determinou que os roubos aconteceram para financiar o que seria o maior de todos, o do Nuval do BB, no Bairro Coronel Antonino.

Nessa empreitada, o grupo abriu túnel ligando galpão, localizado na Rua Minas Gerais até o núcleo bancário. Os policiais chegaram a entrar no imóvel e encontraram o buraco de 4 metros de altura e 67 metros de comprimento, que culminaria no cofre da agência, com intuito de furtar R$ 200 milhões.

Na madrugada de 22 de dezembro, o Garras entrou nos imóveis usados pela quadrilha para frustrar o plano: dois foram mortos na ação: Antônio de Melo Leal, o “Barba”, que coordenava a operação e José Williams Nunes Pereira.

Seis réus foram condenados por tentativa de furto qualificado e formação de quadrilha: Bruno Oliveira de Souza, Francisco Marcelo Ribeiro, Gilson Aires da Costa, Lourinaldo Belisário de Santana, Robson Alves do Nascimento e Wellington Luiz dos Santos Júnior.

Eliane Goulart Decursio de Brito foi absolvida de todas as acusações, pois, segundo o juiz, não foi comprovado que ela tinha conhecimento da ação criminosa. Os outros presos disseram que não a conheciam até o dia 21 de dezembro de 2019, quando levou lanche para eles, no endereço da Rua Minas Gerais. A mulher sempre negou envolvimento, dizendo que se mudou de Mato Grosso para Campo Grande, a pedido do marido, Robson Alves do Nascimento, que disse ter conseguido trabalho na construção de shopping. O magistrado aplicou o princípio do in dubio pro reo, ou seja, na dúvida, a decisão é a favor do réu, no caso, a absolvição.

Bruno foi condenado a 5 anos, 6 meses e 14 dias de prisão; Francisco Marcelo Ribeiro, a 6 anos e 5 meses de reclusão e 76 dias-multa; Gilson Aires da Costa, Lourinaldo Belisário de Santana e Wellington Luiz dos Santos Junior tiveram penas iguais: foram condenados,   5 anos, 6 meses e 14 dias de prisão além de 67 dias-multa.

Em todos os casos, as penas tiveram redução pela confissão do crime e atenuante de não terem concretizado o crime, porém, não por vontade própria, mas por “condições alheias às suas vontades”. Segundo o magistrado, se a “intenção fosse, realmente, não prosseguir no cometimento dos crimes de roubo, os réus não teriam encerrado o túnel imediatamente abaixo do Banco do Brasil e realizado a perfuração do concreto".

Sacos de terra retirados do buraco aberto entre imóvel e banco. (Foto: Arquivo: Henrique Kawaminami)

A maior pena recaiu sobre Robson Alves do Nascimento, considerado responsável pela organização e auxílio na logística, sendo sentenciado a 7 anos, 5 meses de prisão e 101 dias-multa por tentativa de furto qualificado, formação de quadrilha e receptação, já que um dos veículos encontrados no endereço em que ele foi preso, tem relação com roubo em Pernambuco.

Os réus também foram condenados a indenizar, de forma solidária, R$ 47.567,28, ao Banco do Brasil, como pagamento de “reparação dos danos materiais provocados pela conduta dos condenados solidariamente à reparação”.

Robson Nascimento foi o único condenado a pagar 1/7 das custas processuais. O magistrado considerou que ele tem condições financeiras, por ter apresentado ser construtor. Os outros, que declararam hipossuficiência e tiveram defesa promovida pela Defensoria Pública, não vão pagar pelos valores das custas.

O crime - Constatou-se que Wellington, Lourinaldo, Francisco e Bruno foram responsáveis pela escavação do túnel, sob a supervisão de “Barba”, que reportava a “Véio” o andamento do serviço. Bruno também seria responsável pelo transporte do dinheiro no caminhão. Gilson Aires foi recrutado para escavar, mas, com fobia, passou a prestar serviço de cozinheiro; Robson alugou o imóvel situado na Rua José Barbosa Rodrigues, nº 388, que servia como “quartel general” e cuidava das despesas da casa.



•  tanamidia navirai •  noticias


Últimas Notícias
Geral - 21/09/2021 12h32min
Inmet alerta para vendaval com ventos de 60 km/h em MS
Geral - 21/09/2021 12h31min
Azambuja diz que já estuda reduzir o ICMS da gasolina em Mato Grosso do Sul
Geral - 21/09/2021 12h26min
Último dia de inverno com temperatura acima de 40° no MS
Geral - 21/09/2021 11h08min
Palmeiras e Atlético Mineiro abrem a disputa por vaga na final
Geral - 21/09/2021 10h45min
Com venezuelanos recusando emprego, Capital terá campanha contra esmola
Geral - 21/09/2021 10h25min
Governo de Mundo Novo recebe a visita do ex-prefeito Walter Pina
Geral - 21/09/2021 10h05min
PM Naviraí prende homem por ameaça e porte ilegal de arma de fogo
Geral - 21/09/2021 10h00min
Feira de Negócios de Dourados movimenta mais de R$ 50 milhões