13/07/2022 07h37min - Geral
4 semanas atrás

Secretaria diz que não faltam remédios e casos são pontuais na rede pública


 • 

nIndexer / redacao@naviraionline.com.br
Fonte: Campo Grande NEWS


De acordo com a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), a Capital possui cerca de 90% do estoque de medicamentos da rede municipal de saúde abastecido. Ontem (13), o Campo Grande News questionou a pasta a respeito de possível déficit, por conta de efeitos internacionais sobre o preço de insumos farmacêuticos . O município admite, ainda assim, que há "faltas pontuais", provocadas por indisponibilidade do produto, estagnação no processo de compra por conta de pedidos de realinhamento de preço, além do não cumprimento do prazo de entrega por parte do fornecedor, que motiva "frequentes ações" ajuizadas contra estas empresas, segundo a Sesau. O objetivo, nestes casos, é "garantir o abastecimento do medicamento e evitar que haja uma descontinuidade no tratamento e assistência da população". Desabastecimento -  Em reportagem publicada pelo jornal O Globo, tanto o Ministério da Saúde quanto a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) admitem a possibilidade de um desabastecimento de remédios no mercado, impactando nas redes pública e privada. Pesquisa da CN-Saúde (Confederação Nacional da Saúde) revela que, no País, há falta de soro, dipirona injetável, remédios para tratamento e arritmias cardíacas, contrastes usados em exames radiológicos, medicamentos para asma, bronquites e enfisema e ainda antibióticos em unidades de saúde. Ontem, o presidente do CRF (Conselho Regional de Farmácia) de Mato Grosso do Sul, Flávio Shinzato, alertou para a falta de remédios no Estado, cobrando intervenções do poder público para a resolução do problema. O conselho está atento a esses detalhes e já alertou os órgãos públicos há tempos de que tem de haver políticas de emergência de enfrentamento dessa situação, que depende exclusivamente dos nossos governantes", disse Shinzato. Segundo ele, a crise que começou ainda na pandemia está se agravando cada vez mais devido à alta demanda nos casos de síndromes respiratórias, ao inverno, a falta de matéria-prima, à guerra na Ucrânia e ao retorno das cirurgias eletivas que estavam anteriormente suspensas no SUS (Sistema Único de Saúde). "Isso é uma defasagem logística, onde o País não atua na produção de seus medicamentos, tudo isso é prolongado e vai aumentando os preços e dificultando inclusive, o sistema público de adquirir esses produtos. Os particulares também estão passando por isso, mas o público sofre bem mais." Conforme apurado pelo Campo Grande News , até o momento, gerentes de postos de saúde não relatam faltas totais de remédios na rede pública. Contudo, empresários do ramo farmacêutico relatam sentir falta de remédios básicos como dipirona ou novalgina infantil, por exemplo, muito em função do período de inverno.

•  campo grande news •  navirai •  noticias


Últimas Notícias
Geral - 11/08/2022 23h59min
Madrasta agredida nos olhos a tesouradas recebe alta e enteado é levado para o presídio
Geral - 11/08/2022 23h59min
Motorista é preso com R$ 10,6 milhões de maconha em carga de tijolos
Geral - 11/08/2022 23h57min
Rapaz que morreu após perseguição transportava quase 400kg de maconha no veículo
Geral - 11/08/2022 23h38min
Rastreador leva PM à "boca de fumo" e cinco são presos 730 papelotes de cocaína
Geral - 11/08/2022 23h17min
Fifa antecipa início da Copa do Mundo para 20 de novembro
Geral - 11/08/2022 22h56min
Com 50 vagas, curso gratuito de açougueiro está com inscrições abertas
Geral - 11/08/2022 22h34min
Libertadores: Vitor Roque decide e Athletico-PR está na semifinal
Geral - 11/08/2022 22h13min
Suspeitos de assalto, homens são presos após trocarem tiros com policiais