27/07/2022 09h19min - Geral
2 semanas atrás

Violiono e palhaçada transformaram vida de autista no semáforo


 • 

nIndexer / redacao@naviraionline.com.br
Fonte: Campo Grande NEWS


O trânsito caótico vira um detalhe quando o som do violino vai se aproximando na Avenida Afonso Pena esquina com a Rua 25 de Dezembro. Tem sido assim nos últimos dias, desde que o artista de rua e acadêmico de Psicopedagogia, Pedro Henrique Ramos Pinto, 24 anos, passou a tocar violino nas ruas de Campo Grande ao entardecer. Há três anos ele mora em João Pessoa, na Paraíba, onde faz Psicopedagogia, mas aproveita o período de férias para visitar a família campo-grandense. E para aproveitar o tempo livre fazendo uma das atividades que mais gosta, ele decidiu ir às ruas em horário de pico tocar o violino.  O que poucos sabem é que o instrumento mudou a vida do artista, que é um jovem autista e encontrou na música e no circo a fórmula exata para se expressar com leveza.  Tudo mudou quando ele visitou pela primeira vez uma edição do Pantalhaço – Mostra de Palhaços do Pantanal, que além de apresentações trazia oficinas e diálogos sobre a arte da palhaçaria a Campo Grande.  “Eu não conhecia o projeto e um amigo me convidou para ir. Era tímido, mas resolvi fazer um curso e descobri o quão libertador é a palhaçaria”, descreve o artista.  Desde então, Pedro passou a investir na arte e sorrir mais para a vida, melhor, passou a levar o riso para as ruas, como forma de democratizar o acesso à arte.  Como não tinha muita habilidade com o violão, ele decidiu investir no violino, instrumento que muitos acham difícil. “Mas foi muito mais fácil pra mim”, afirma. A princípio, ele queria aprender o instrumento para tocar um violino de criança durante suas apresentações como palhaço, mas se apaixonou e passou a tocar de forma magistral as mais belas composições clássicas e até músicas mais atuais.  Quando encontramos Pedro ele tocava para o público a canção Bella Ciao, que nos últimos anos ganhou diferentes versões, depois de ser trilha sonora na série La Casa de Papel.  Ele não só ameniza a correria de quem o observa tocar como surpreende pessoas que nunca tiveram acesso a um instrumento musical com o violino. “Acredite, tem gente que nunca viu um violino na vida e já perguntou se eu estava tocando um piano”, lembra.  Atuando também como professor de violino e circo, Pedro vê as ruas como um importante palco para arte de rua. “Eu acho que arte de rua é o que tem de mais democratico dentro da arte, é bonito ver o encanto das pessoas e a chance delas de ouvir uma música diferente”, destaca.  Já quando está de palhaço, ele conta que seu personagem não fala, usa apenas um apito, e em conjunto com o violino dialoga com o público de uma forma mais sensível, gerando diferentes interpretações.  Por conta da mochila pequena, Pedro não conseguiu trazer o traje de palhaço, mas não abandonou o nariz vermelho que segue encantando quem dedica uns minutinhos a escutá-lo nas ruas. Acompanhe o  Lado B  no Instagram @ladobcgoficial , Facebook e  Twitter . Tem pauta para sugerir? Mande nas redes sociais ou no Direto das Ruas através do WhatsApp  (67) 99669-9563 (chame aqui) .

•  campo grande news •  navirai •  noticias


Últimas Notícias
Geral - 12/08/2022 23h57min
Instalação de estação de embarque e desembarque interdita Rui Barbosa no sábado
Geral - 12/08/2022 23h36min
Mega-Sena deste sábado pode pagar até R$ 27 milhões
Geral - 12/08/2022 23h27min
Ferro-velho escondia mais de quatro toneladas de maconha
Geral - 12/08/2022 23h26min
Homem fica preso em ferragens de carro após batida com caminhão
Geral - 12/08/2022 23h25min
Homem é preso após receber R$ 1 mil em notas falsas
Geral - 12/08/2022 23h15min
Veículos são apreendidos com 4,4 mil pacotes de cigarros em lavoura de milho
Geral - 12/08/2022 22h54min
Matheus Davó brilha na vitória de 2 a 0 do Bahia sobre o Ituano
Geral - 12/08/2022 22h54min
Bahia vence Ituano e assume vice-liderança da Série B